A contadora de histórias Susana Diniz, que participou das ações no início do projeto, foi a sensibilizadora do brincar no evento. Participaram da atividade 27 profissionais envolvidos no projeto desenvolvido em 2014 e 2015.

Para Alda Aparecida Oliveira o momento fortalece o diálogo firmado na rede de educação entre os profissionais que atuam com a Primeira Infância: “Nosso maior desafio tem sido o diálogo com a família, mas juntos estamos buscando maneiras de trazê-las para construirmos uma educação participativa para nossas crianças”, comenta.

Ilma Almeida Ribeiro Barbosa comenta que entre as ações de continuidade, encontros do Grupo de Trabalho têm sido realizados periodicamente para prosseguir refletindo sobre as ações em defesa do direito ao brincar. Este grupo realizou no dia 2 de julho o I Fórum Brincadiquê: “Tivemos grande participação! Os educadores estão muito envolvidos nas ações e discussões sobre o brincar. Queremos dialogar e construir coletivamente propostas que efetivem o direito ao brincar em Santana do Paraíso”, afirma.

A secretária de educação, Maria Lenice de Sá, afirma que as discussões continuam no planejamento: “O brincar é muito importante para o desenvolvimento infantil. Por isso, precisamos planejar ações que promovam essa reflexão nos profissionais que trabalham diretamente com as crianças”. O encontro contou ainda com a participação de 30 estudantes da EJA (Educação de Jovens e Adultos), convidados pela Secretaria de Educação para a celebração.

Sobre o projeto Brincadiquê

Desenvolvido pela Rede Marista de Solidariedade, por meio do Centro Marista de Defesa da Infância, o projeto Cata-vento visou contribuir para a promoção dos direitos da Infância, por meio de formações sobre os temas relacionados a Primeira Infância. Participaram das formações atores do Sistema de Garantia de Direitos que trabalham com crianças de 0 a 5 anos. Com apoio do Instituto InterCement e do CDC local, o projeto foi realizado no estado de Minas Gerais no município de Santana do Paraíso, seguindo a metodologia do projeto Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar.